O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) quer que as polícias da Câmara dos Deputados e do Senado assumam a segurança, respectivamente, de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filhos do presidente eleito, Jair Bolsonaro, e que também são parlamentares – a partir de 2019.

O filho mais velho de Bolsonaro, Flávio Bolsonaro, foi eleito senador em outubro – e Eduardo Bolsonaro foi reeleito para a Câmara dos Deputados.

Segundo o blog apurou, o GSI enviou em dezembro ofícios ao Senado Federal e à Camara dos Deputados solicitando que seja verificada a possibilidade, se requerida, de os departamentos de polícia legislativa das Casas assumirem a segurança dos filhos do presidente eleito.

O GSI argumenta, segundo fontes, que os parlamentares são vinculados a todas as atividades do Congresso – e que, para evitar possíveis “conflitos de jurisdição” entre integrantes do GSI e as polícias legislativas, responsáveis pela segurança nas Casas, o GSI se antecipou com a consulta para saber se o Congresso tem disponibilidade, se necessário, de providenciar a segurança dos filhos do presidente eleito.

O blog procurou o general Augusto Heleno, que vai assumir o GSI no governo Bolsonaro.

Ele confirmou a consulta por ofício ao Congresso, feita pela gestão atual do GSI, mas disse que não há uma resposta ainda aos documentos.