O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2019, que seus filhos, também políticos, não têm papel decisivo em seu governo. “Nenhum filho meu manda no governo, não existe isso”, disse Bolsonaro em café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto.

Jair Bolsonaro afirmou também que as declarações públicas de seu filho Carlos, que é vereador na cidade do Rio de Janeiro, agora precisam passar por sua aprovação, caso tenham relação com o governo.  “Tudo passou a ter um filtro da minha parte”, informou.

Carlos Bolsonaro respondeu no Twitter a reportagem do portal UOL sobre as declarações do presidente. “Nenhum dos filhos mandam no governo mesmo e qualquer um que converse com o Presidente o deve e tem de ser filtrado”, afirmou. Ele também questionou uma suposta perseguição do veículo: “Quanto a mira de vocês em mim. Eu e Jair Bolsonaro sabemos as intenções!”.

O presidente aproveitou a ocasião para lamentar o vazamento das conversas de Whatsapp entre ele e o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presdiência da República Gustavo Bebianno . “Lamento o ocorrido, mas não poderia ter tomado outra decisão”, afirmou

Bebianno e Carlos Bolsonaro trocaram farpas nas redes sociais enquanto o presidente estava internado no Hospital Israelita Albert Einstein, se recuperando da cirurgia para retirada da bolsa de colostomia. Carlos  desmentiu Bebianno quando ele afirmou ter conversado com Bolsonaro. O vereador chegou a divulgar uma gravação de seu pai dizendo que não havia conversado com o então ministro e  foi apoiado pelo irmão Eduardo, deputado federal por São Paulo.

O episódio, junto ao escândalo das candidaturas laranjas do PSL, culminou com a demissão de Gustavo Bebianno . Depois de demitido, ele também divulgou áudios de Bolsonaro, provando que havia sim conversado com o presidente naqueles dias.

Nesta manhã, Bolsonaro também foi questionado sobre como se sentia em relação a Bebianno, e comparou a demissão ao fim de um casamento. “É quase um casamento que infelizmente prematuramente se desfez.”

Jair Bolsonaro negou um mal-estar com a ala militar do governo que, especulava-se, desaprovaria a influência dos filhos de Bolsonaro nos assuntos da gestão. “Não há nenhum problema com os militares”, cravou.

(*)Ig