O jogador de futebol Weslley Batista – o Patati -, grande revelação da base do Santos Futebol Clube, atualmente disputando a Copa Internacional Santiago, no Rio Grande do Sul, com valor de venda estipulado pelo Peixe por R$ 455 milhões, esteve na base do River Atlético Clube, em Teresina-PI, no segundo semestre de 2018, quando disputou na categoria Sub-15 o Campeonato do Parque Piauí e a Copa Boca Júnior.

Sem vínculo ao clube piauiense o atleta de Presidente Dutra-MA chegou ao Santos-SP através da ação de um empresário e hoje é o jogador de futebol de base mais valioso da América do Sul.

Saiba mais sobre Patati no Santos-SP:

A vida do jovem Weslley Batista, de apenas 16 anos, mudou muito rápido. Menos de um mês após assinar seu primeiro contrato de formação com o Santos, o meia-atacante, agora conhecido como Patati, firmou nesta semana vínculo profissional com o Peixe.

Não bastasse a mudança de “status”, Patati agora tem multa milionária. O novo contrato do garoto com o Santos tem três anos de validade, e qualquer clube de fora do Brasil que quiser tirar o meia-atacante da Vila Belmiro terá de pagar 100 milhões de euros (R$ 455 milhões, de acordo com a cotação desta sexta-feira, 10 de janeiro de 2020).

Patati chegou ao Santos em julho de 2019, depois de dificuldades por onde tinha passado. Natural de Presidente Dutra, no Maranhão, o garoto deixou a casa dos pais aos 13 anos em busca do sonho de se tornar jogador de futebol e foi para o River-PI, por onde disputou a Copa Boca Junior e o Campeonato do Parque Piauí. No clube piauiense o objetivo era disputar o Campeonato Piauiense Sub-15 de 2018, mas a Federação de Futebol do Piauí não realizou a competição em 2018, daí o atleta migrou para outra agremiação.

O meia-atacante, então, foi para um clube de Jataí, Goiás. Lá, Patati alega ter sido abandonado, sem condições para se alimentar, e não conseguia contato com sua família para voltar para casa. Quando não estava treinando, morava em um alojamento e precisava fugir com os amigos para buscar frutas em árvores.

Patati, que já havia passado também pelo São Paulo Futebol Clube e iniciado a carreira no Clube Atlético Maranhense, foi descoberto pelo empresário Maurice Cohen depois de conseguir deixar Jataí. O agente levou o garoto para testes no Santos-SP em julho de 2019.

Depois de treinos, avaliações e de ser aprovado, Patati assinou um contrato de formação, mas logo mostrou que merecia mais. O garoto se destacou pela equipe Sub-17, num jogo-treino contra o Atlético Roraimense, no CT Rei Pelé, e foi chamado para negociar contrato profissional e disputar a Copa Santiago, no Rio Grande do Sul, a partir da próxima segunda-feira, 13 de Janeiro de 2020.

(*) Fotos: Tribuna do Nordeste

A imagem pode conter: 21 pessoas, atividades ao ar livre
No River-PI, Patati com a camisa 7, agachado, ao lado do goleiro com uniforme verde
A imagem pode conter: 18 pessoas, pessoas sorrindo, atividades ao ar livre
Patati no River-PI, com a camisa 11, no centro da foto, ao lado do volante David Victor (camisa 5), durante a Copa Boca Junior Sub-15 de 2018
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas praticando esportes, grama, atividades ao ar livre e natureza
Com a camisa 7 do River-PI, Patati no Campeonato Sub-15 do Parque Piauí/2018, em Teresina,
Na semana passada, Patati assinando contrato com o Santos-SP, com o valor de R$ 455 milhões para venda ao exterior
Tribuna do Nordeste
A imagem pode conter: atividades ao ar livre
Nesta quarta-feira, com a camisa 19 do Santos-SP, Patati deu a assistência para o gol do clube paulista na derrota de 2 a 1 para o Juventude-RS, com transmissão ao vivo para todo o Brasil pela TV Brasil, canal 2, na Copa Santiago, competição internacional disputada no Rio Grande do Sul
A imagem pode conter: atividades ao ar livre e texto