Há cerca de um ano, jogadores de
futebol da base de clubes profissionais e amadores  de Teresina, estão sendo assediados
sexualmente por um criminoso ainda não identificado, que usa nomes de
treinadores de escolinhas e jornalistas da crônica esportiva em perfis faltos
nas redes sociais.
O “Maníaco do Whatsapp”, como está sendo chamado, convida pre-adolescentes e adolescentes masculinos para programas
sexuais em troca de dinheiro, além de solicitar fotos íntimas.
Nos últimos seis meses a situação
tem se agravado. As mensagens criminosas geralmente são enviadas para atletas
da Sociedade Esportiva Garra, Escolinha Bebeto-Fênix e por último do
Flamengo-PI.  Os atletas que recebem as
mensagens, estão sendo orientados pelos seus clubes a procurarem de imediato seus treinadores,
seus pais, Conselho Tutelar e a Polícia.
Para muitos a pessoa ou as
pessoas que fazem esses perfis falsos, conviveu ou convive no meio dos atletas
dos próprios clubes, já que possui os contatos dos mesmos.
Esse problema ganhou repercussão
maior nos últimos dias, após o apresentador de televisão Silas Freire fazer
denúncias de assédio sexual a menores de idade, no programa Ronda Nacional, da
TV Meio Norte, acusando o treinador Chico, da Escolinha Interpark, do Bairro
Parque Piauí, zona sul de Teresina. Chico foi uma das vítimas do “Maníaco do Whatsapp
e a reportagem da TV Meio Norte não apurou devidamente os fatos, causando danos
morais irreversíveis na vida do treinador Chico, que agora deprimido, está
sendo assistido por uma psicóloga e recebendo ajuda de amigos e pais dos alunos
da sua escolinha.
Falando com exclusividade a
reportagem do Tribuna de Barras, o treinador Chico disse: “O que o repórter Kilson
Nunes e o deputado Silas Freire fizeram comigo foi muito desumano, eles jogaram
no ar uma reportagem difamatória a minha pessoa e a meu trabalho, sem procurar
se aprofundar no assunto. Raquearam minhas redes sociais e avisei isso aos
atletas, seus pais e todas as pessoas que me conhecem, assediaram jovens usando
meus perfis e o resultado foi isso que todos sabem e que ganhou uma repercussão
muito negativa para minha pessoa, depois da maldade que o deputado Silas Freire
e o Kilson Nunes fizeram comigo. Estou muito triste, sofrendo, mas graças a
Deus sou muito conhecido, todos estão me defendendo. Nesta Quinta-feira, 25 de
Janeiro, estarei me reunindo com um grupo de advogados que voluntariamente se
aproximou para me ajudar. Agradeço também a um grande empresário e político
de Teresina,  que apareceu querendo
inclusive me candidatar a deputado federal este ano com o apoio dele;  essas aproximações são o reflexo de que a
sociedade teresinense conhece meu trabalho e minha pessoa e entre os quase um
milhão de habitantes de Teresina, somente o Kilson Nunes e o Silas Freire, não
conhece. Lamento!”, finalizou Chico.
Sobre o “Maniaco do Whatsapp”, as vítimas estão
se reunindo, juntando os print’s recebidos, contratando um advogado e a partir
daí farão nos próximos dias registro de B.O. na polícia, que realizará ações
para desmascarar o criminoso. As vítimas apontam o nome de um treinador que já
atuou em algumas escolinhas da capital como a pessoa responsável pelo envio das
mensagens difamatórias, mas nada ainda confirmado. “Ele é o principal suspeito e todos os indícios levam a ele”, disse uma das
vítimas a reportagem do Tribuna de Barras.

Saiba mais sobre este assunto, leia esta matéria do Tribuna de Barras relacionada ao caso, clique no linque a seguir: http://www.tribunadebarras.com/2018/01/apos-agressoes-de-silas-freire.html