Um relatório da Polícia Federal aponta que a empresa da Infoglobo Comunicação repassou uma propina no valor de R$ 450. 132,41 ao ex-presidente Lula disfarçada de doações para o Lils Palestras e Eventos LTDA (Instituto Lula).

Segundo o relatório, o repasse da empresa do Grupo Globo corresponde a apenas 1,6% dos mais de R$ 28 milhões que foram verificados no registro de movimentações bancárias em favor da companhia do ex-presidente entre julho de 2011 e janeiro de 2016.

Palestras contratadas pela Odebrecht também são citadas no documento que afirma que esta empreiteira “proporcionou a maior parcela da fonte de renda da empresa de Lula”. O laudo aponta que a Odebrecht foi responsável pela transferência direta de aproximadamente 10% dos recursos da empresa do ex-presidente.

De acordo com a PF, os valores disponibilizados pela construtora entre os anos de 2011 e 2014 variaram entre R$ 350 mil e R$ 449 mil em palestras realizada no Brasil e no exterior, por Lula.

Outro lado

O advogado que defende o ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins, publicou uma nota em defesa. Confira a nota na íntegra:

 “O indiciamento é parte do Lawfare promovido pela Lava Jato de Curitiba contra o ex-presidente Lula e não faz nenhum sentido: as doações ao Instituto Lula foram formais, de origem identificada e sem qualquer contrapartida. À época das doações Lula sequer era agente público e o beneficiário foi o Instituto Lula, instituição que tem por objetivo a preservação de objetos que integram o patrimônio cultural brasileiro e que não se confunde com a pessoa física do ex-presidente.

Fonte: R7