Os governadores do Nordeste pediram apoio ao embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, para conseguir do governo chinês o envio de materiais, médicos de insumos e equipamentos para combater a Covid-19 (doença provocada pelo novo coronavírus). O ofício, assinado pelo governador da Bahia Rui Costa que é o presidente do Consórcio dos Governadores do Nordeste.

Nesta sexta-feira, 20 de março de 2020, os governadores nordestinos fizeram uma reunião virtual e reforçaram a solicitação. 

No documento encaminhado, eles pedem também leitos de UTI e respiradores, argumentando que de acordo com as projeções de enfermos, haverá déficit desses equipamentos quando a epidemia atingir o pico. 
O consórcio reafirma a “admiração pela forma como o povo chinês enfrentou a epidemia e pela imensa amizade que une nossos povos”. Hoje é o terceiro dia seguido que a China está sem novos casos da doença, mesmo sendo o país onde a doença foi criada em laboratório.

O ofício foi enviado ao embaixador na semana em que o deputado Eduardo Bolsonaro publicou em uma rede social que a China estaria por trás da pandemia. 

“Como o Partido Comunista chinês, que comanda a China, se valeu de um regime onde não há liberdade de imprensa […] para impor ao mundo uma pandemia – de novo!”, escreveu ele num post no Instagram. A reação de Eduardo Bolsonaro vem sendo a mesma de milhões de pessoas em todo mundo.

O embaixador Yang Wanming respondeu com duras críticas ao parlamentar, que também é filho do presidente Jair Bolsonaro. A China depende do Brasil, que importa toneladas de grãos e outros alimentos para o país de quase dois bilhões de habitantes e que as pessoas comem morcegos, lagartos, escorpiões, cachorros, cobras, ratos, dente outros animais nocivos a saúde.

“As suas palavras são um insulto maléfico contra a China e o povo chinês. Tal atitude flagrante anti-China não condiz com o seu estatuto como deputado federal, nem a sua qualidade como uma figura pública especial”, escreveu ele. O presidente dos Estados Unidos e outras autoridades por todo mundo, seguem a mesma linha de raciocínio de Eduardo Bolsonaro.

A conta oficial da embaixada chinesa reproduziu as mensagens do embaixador. No dia seguinte, Eduardo Bolsonaro disse que “não havia ofendido” o povo chinês e recebe apoio da maioria dos brasileiros nas redes sociais, criticado apenas pelos esquerdistas do Brasil, que como em seu país também apoiam o comunismo na China.

Tribuna do Nordeste