Para auxiliar os estudantes na preparação para a prova da edição de 2019, que será aplicada em 3 de novembro, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou, na quinta-feira (24), uma seleção de redações nota mil do ano passado, acompanhadas de avaliações de especialistas do Inep.

Tirar nota mil na redação do ENEM demanda cumprir uma série de expectativas da banca corretora. Entender bem o tema proposto, para não fugir à regra e escrever uma redação que assume uma posição e traz referências externas e pertinentes de pensadores ou obras culturais, e concluir com uma proposta de intervenção detalhada, tudo isso em pouco tempo, e ainda demonstrando domínio da norma culta no português escrito e elementos de coesão na construção do texto.

Não é por acaso que apenas 55 candidatos tenham atingido a nota máxima na redação do Enem 2018, de um total de 4 milhões de participantes.

O objetivo, segundo a autarquia, é fornecer mais detalhes “sobre os critérios de avaliação utilizados na correção”. O Inep também divulgou a ‘Cartilha da Redação’, que explica em detalhes e dá dicas sobre cada uma das cinco competências, e ainda traz exemplos sobre o que pode levar à nota zero.

Leia abaixo à íntegra das redações e aos comentários de especialistas sobre cada uma das cinco competências:

1- Pedro Assaad, 21 anos

As primeiras duas décadas do século XXI, no Brasil e no mundo globalizado, foram marcadas por consideráveis avanços científicos, dentre os quais destacam-se as tecnologias de informação e comunicação (TICs). Nesse sentido, tal panorama promoveu a ampliação do acesso ao conhecimento, por intermédio das redes sociais e mídias virtuais. Em contrapartida, nota-se que essa realidade impôs novos desafios às sociedades contemporâneas, como a possibilidade de manipulação comportamental via dados digitais. Desse modo, torna-se premente analisar os principais impactos dessa problemática: a perda da autonomia de pensamento e a sabotagem dos processos políticos democráticos.

Em primeira análise, é lícito postular que a informação é um bem de valor social, o qual é responsável por modular a cosmovisão antropológica pessoal e influenciar os processos de decisão humana. Nesse raciocínio, as notícias e acontecimentos que chegam a um indivíduo exercem forte poder sobre tal, estimulando ou suprimindo sentimentos como empatia, medo e insegurança. É factual, portanto, que a capacidade de selecionar – via algoritmos – as reportagens e artigos que serão vistos por determinado público constitui ameaça à liberdade de pensamento crítico. Evidenciando o supracitado, há o livro ” Rápido e devagar: duas formas de pensar”, do especialista comportamental Daniel Khaneman, no qual esse expõe e comprova – por meio de décadas de experimentos socioculturais – a incisiva influência dos meios de comunicação no julgamento humano. Torna-se clara, por dedução analítica, a potencial relação negativa entre a manipulação digital por dados e a autonomia psicológica e racional da população.

Ademais, é preciso compreender tal fenômeno patológico como um atentado às instituições democráticas. Isso porque a perspectiva de mundo dos indivíduos coordena suas escolhas em eleições e plebiscitos públicos. Dessa maneira, o povo tende a agir segundo o conceito de menoridade, do filósofo iluminista Immanuel Kant, no qual as decisões pessoais são tomadas pelo intelecto e influência de outro. Evidencia-se, assim, que o domínio da seletividade de informações nas redes sociais, como Facebook e Twitter, pode representar uma sabotagem ao Estado Democrático.

Em suma, a manipulação comportamental pelo uso de dados é um complexo desafio hodierno e precisa ser combatida. Dessarte, as instituições escolares – responsáveis por estimular o pensamento crítico na população – devem buscar fortalecer a capacidade de julgamento e posicionamento racional nos jovens. Isso pode ser feito por meio de palestras, aulas e distribuição de materiais didáticos sobre a filosofia criticista e sociologia, visando aprimorar o raciocínio autônomo livre de influências. Em paralelo, as grandes redes sociais, interessadas na plenitude de seus usuários, precisam restringir o uso indevido de dados privilegiados. Tal ação é viável por intermédio da restrição do acesso, por parte de entidades políticas, aos algoritmos e informações privadas de preferências pessoais, objetivando proteger a privacidade do indivíduo e o exercício da democracia plena. Desse modo, atenuar-se-á, em médio e longo prazo, o impacto nocivo do controle comportamental moderno, e a sociedade alcançará o estágio da maioridade Kantiana.

Comentário de especialistas divulgado pelo Inep:

# O participante demonstra excelente domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa, uma vez que a estrutura sintática é excelente e o texto não apresenta desvios de escrita.

# Em relação aos princípios da estruturação do texto dissertativo-argumentativo, percebe-se que o participante apresenta uma tese, o desenvolvimento de justificativas que comprovam essa tese e uma conclusão que encerra a discussão, ou seja, o participante apresenta excelente domínio do texto dissertativo-argumentativo. Além disso, o tema é abordado de forma completa: no primeiro parágrafo, o participante trata da manipulação comportamental via dados digitais e, no segundo parágrafo, deixa claro que está tratando especificamente de controle de dados, ao falar de “algoritmos”. Observa-se também que o participante usa, de forma produtiva, repertório sociocultural pertinente à discussão: no segundo parágrafo, quando faz referência ao livro de Daniel Khaneman para reforçar a informação de que o controle de dados ameaça a liberdade de pensamento; e no terceiro parágrafo, quando trabalha com o conceito de menoridade de Immanuel Kant, para mostrar que as pessoas tomam decisões influenciadas pelo outro.

# Podemos perceber, ao longo da redação, a presença de um projeto de texto estratégico, que se configura na organização clara e no desenvolvimento consistente da redação. O participante apresenta informações, fatos e opiniões relacionados ao tema proposto para defender seu ponto de vista de que a manipulação traz impactos em relação à autonomia de pensamento e à sabotagem dos processos políticos democráticos – impactos que serão desenvolvidos ao longo do texto e retomados nas propostas de intervenção apresentadas no último parágrafo.

# Há também, nessa redação, um repertório diversificado de recursos coesivos, sem inadequações. Há articulação tanto entre os parágrafos (“Ademais”, “Em suma”) quanto entre as ideias dentro de um mesmo parágrafo (como “Nesse sentido”, “tal”, “Em contrapartida” e “Desse modo”, no 1º parágrafo; “o qual”, “Nesse raciocínio” e “portanto”, no 2º parágrafo; “Isso”, “porque” e “assim”, no 3º parágrafo; e “em paralelo”, “tal” e “desse modo”, no 4º parágrafo).

# Por fim, o participante elabora excelente proposta de intervenção, concreta, detalhada e que respeita os direitos humanos. As propostas apresentadas retomam o que foi discutido ao longo do texto ao evidenciar a responsabilidade das instituições escolares, que devem trabalhar filosofia criticista e sociologia para que as pessoas sejam menos influenciadas, e das redes sociais, que devem restringir o uso indevido de dados pessoais.