De encantadores olhos azuis e sempre acompanhado da sua eterna amada Vitalina, o boneco gigante mais antigo do Brasil desembarcou ontem para saudar o Carnaval de Recife, capital de Pernamuco.

 Zé Pereira, aos 100 anos, saiu de Belém de São Francisco, no Sertão pernambucano, e chegou de Catamarã ontem, no Cais do Sertão, no centro de Recife. “A vinda do boneco Zé Pereira para  Recife é um momento muito importante para nós de Belém, uma cidade tão pequenininha, meio esquecida no sertão. E nunca divulgamos ele. Sertanejo é tímido”, conta a professora Maria Auxiliadora, 64, que veio de Belém para ver a chegada. Zé Pereira foi recebido com festa e caiporas, caretas, passistas de frevo, papangus e caboclo de lança.

Zé e Vitalina saíram no último dia 10 de fevereiro da cidade de origem, de barco pelo Rio São Francisco. Reverenciado pelos bonecos gigantes do Recife e de OlindaZé Pereira é o elo do antigo e do novo Carnaval. “Os bonecos gigantes são uma tradição muito forte no Carnaval de Pernambuco. E o primeiro do País surgiu em um município pequeno, a quinhentos quilômetros do Recife. Então, no ano do centenário de Zé Pereira, entendemos como importante exaltarmos essa tradição, a nossa cultura. Trouxemos ele e sua esposa Vitalina para brincar Carnaval na Capital. Ele será homenageado por seus descendentes, os bonecos de Olinda”, contou o secretário de Turismo e Lazer de Pernambuco, Rodrigo Novaes.

Em 1919, o morador de Belém chamado de Gumercindo Pires criou o personagem, após ouvir as histórias do padre belga Norberto Phallampin, morava e celebrava missas na região. Ele contava que utilizava bonecos grandes para chamar a atenção dos fiéis e convencê-los a assistirem às missas. Gumercindo resolveu tirar os bonecos do sagrado e levar para o profano.

Segundo Tercina Lustosa, professora da UFPE, o Zé Pereira fez sucesso entre crianças e idosos, mudando o cenário do Carnaval da região. “Ele foi idealizado pelo Gumercindo e criado em equipe com sua tia e amigos. O nome foi dado em homenagem ao português que deu origem ao Sábado de Zé Pereira, comerciante no Rio de Janeiro do século 19, que tinha no sangue as raízes e alegorias carnavalescas de sua terra”, comenta Tercina.