A ex-miss, as drogas acabaram com a beleza física!                     

O mundo de “modelos” masculinos e femininos, todos sabem, com raríssimas exceções, a prostituição e as drogas “fazem sombra” bem ao lado.

Em conversas com a editoria da tribunadebarras.com várias pessoas que já foram modelos ou candidatas a miss nesses concursos promovidos por colunistas sociais, promoter’s, etc., são assediadas(os) por mulheres e homens mais velhos, homossexuais masculinos e femininos, mulheres casadas, e em muitos dos casos assediados pelos próprios(as) colegas modelos.
Na foto da Carteira de Identidade, ainda os traços juvenis a ex-miss

O modelo barrense Germano Paz, 20 anos, explica: “como modelo sempre tive a minha mãe do meu lado, me acompanhando em todos os desfiles, mas os assédios sexuais vindos de todos os lados passaram a ser tão grandes, que resolvi abandonar a profissão de forma mais ampliada e hoje só desfilo em situações especiais e sempre com as pessoas da minha família por perto. Esse mundo é ilusório, todo adolescente é vaidoso e aproveitam essa fase de vaidade adolescente para prometer o mundo aos jovens”, relatou Germano Paz.

Ex-candidata a Miss, drogada, é presa em Teresina

Luiza Jaynara, que já foi candidata a Miss, está presa em Teresina acusada de roubo. Ela se diz inocente e que a detenção é injusta. Esse não é o único drama da ex-miss. Há pelo menos 3 anos, ela é usuária de crack. “É um terror, é uma humilhação, é preconceito. Simplesmente parece que você não existe”, resumiu Jaynara. Antes muito bela, atualmente suas feições estão destruídas pelo consumo de drogas, que afeta entre outra coisas a pele, envelhecendo-a.
A mãe da ex-miss

Segundo sua mãe, quem a colocou no mundo das drogas foi um ex-namorado. “Os pais não costumam mais procurar saber com quem seus filhos se relacionam. Pessoas tatuadas, que não estudam ou estão atrasadas nos estudos, que não tem pai e mãe dentro de casa, que são liberais demais, não são as melhores para andar com nossos filhos e nem tão pouco ter relacionamentos amorosos com eles”, enfatizou a mãe. Ela começou a desconfiar que a filha estava usando drogas quando percebeu que o dinheiro não estava sendo aplicado. “Minha filha não é agressiva, ela é muito carinhosa comigo, educada”, contou.

“Por fim, disse que eu não queria mais ela em casa e aí a Luiza procurou atendimento, mas me enganava muito. Ela não ia para o CAPS e começou a deixar de comer, foi aí que ela ficou magra”, revelou.

O advogado (foto ao lado) de Jaynara afirmou que a prisão é ilegal. “Foi feita sem nenhuma prova do crime. A Jaynara ainda chegou a avisar quem era o verdadeiro assaltante”, disse.