A missa do quilombo realizada em São Luís, capital do Maranhão,  na última Terça-feira, 20 de Novembro de 2018, dia da Consciência Negra, foi alvo de várias ofensas nas redes sociais e já virou caso de polícia. A missa é realizada há oito anos no mês de novembro e é uma forma de reforçar o combate ao racismo, à intolerância e ao preconceito.

Os ataques começaram depois que um vídeo da missa foi divulgado pela Catedral da Sé nas redes sociais e mostrou dança e a manifestação cultural dos negros durante a celebração dentro da igreja. Assim que o vídeo foi publicado vieram comentários como “Nojo”, “Malditos”. Um homem diz “Deixem a santa igreja em paz, saiam e levem consigo os seus demônios”.

Outras pessoas fizeram ameaças, como “palhaçada”. Em outra postagem, uma pessoa disse: “Quero trombar com o organizador dessa vergonha na rua e chutar a cara dele até o cérebro virar um patê”.

Como reação, uma mulher disse que “a igreja é do povo e o povo é negro”, enquanto outra postagem diz que “isso é lindo de ver, o respeito à cultura e história dos negros”.

Os comentários surpreenderam o Padre Ribamar Nascimento, que celebrou a missa. Ele usava um turbante como uma forma de homenagear a cultura negra e diz que o objetivo sempre foi aproximar culturas e religiões.

“O que se usou foram instrumentos da nossa cultura brasileira, que incluía não só instrumentos de matriz africana, como também outros instrumentos do dia-a-dia, profanos, e que nós usamos nas mais variadas liturgias. O que teve a mais que eu usei, e que padre não usa, foi um turbante em sinal de comunhão com aquele momento que nós estávamos celebrando”, contou o Padre Ribamar.

As críticas também assustaram lideranças religiosas ligadas à cultura negra. A Elisandra Rocha, viúva do Pai Neto de Nanã, falou sobre o respeito dentre as religiões e que os negros sofreram ao chegar no Brasil, muito por conta da rejeição à sua raiz cultural.

“As religiões afro só conseguiram… o povo afrodescendente só conseguiu sobreviver a esse país porque conseguiu ressignificar a sua cultura e a sua fé. Ressignificou a sua religião. Então a partir de elementos ligados ao catolicismo, ao cristianismo, ela encontrou e sincretizou. Ligou os seus elementos ao cristianismo. (…) Mas a fé é só uma, as religiões celebram o amor e isso é que é o sentido porque Deus, ele é o amor”, declarou Elisandra.

A igreja católica informou que vai continuar apoiando a missa do quilombo, que vai continuar sendo realizada todos os anos. Outras entidades religiosas também se manifestaram.

“Não tinha nenhum elemento de umbanda. Ninguém que foi na missa viu que o ofertório eram todos alimentos que a cultura negra foi colocando, como batata doce, a macaxeira, o bolo de milho… essas coisa. A pipoca… Então foi coisas que eram alimento e tinha uma pessoa que representava o corpo marcado da história, de todo o sofrimento dos negros. A única coisa que teve”, disse Sílvia Cristina Sá, coordenadora das Comunidades Eclesiais de Base da Igreja Católica.

Já a Polícia Civil diz que houve crime nos comentários, que alguns tiveram cunho racista e que os autores podem ser identificados, responsabilizados e punidos. O delegado de Crimes Virtuais no Maranhão, Odilardo Martins, listou alguns crimes cometidos nas postagens.

“Nós estamos tratando de difamação, injúria… crimes contra a honra e até crimes com preconceito com a religião, que são utilizados no meio informático. São delitos que podem acontecer na rua e hoje em dia acontece no meio informático”, afirmou o delegado Odilardo.

Internauta faz ameaças violentas durante divulgação da missa dos quilombos em São Luís — Foto: Reprodução/TV Mirante

(*) Com informações e fotos do G1/MA