Teresina, tida por seus moradores como uma cidade boa para se viver. O único questionamento
é o seu clima quente.
A Pesquisa Nacional por amostra de Domicílios (PNAD) relativa ao ano de 2012, divulgada nesta Sexta-feira (27), pelo IBGE, revela que a média salarial do piauiense subiu 226% desde 2003. O estudo revela ainda que um percentual de 49,3% da população recebe apenas o salário-mínimo. 


O valor do rendimento médio mensal dos trabalhadores piauienses passou dos R$ 229 em 2003 (que correspondia a 95,42% do salário mínimo) para R$ 748 (120% do salário mínimo) em 2012. O aumento de 226% foi significativo, uma vez que o salário mínimo aumentou apenas 159,17% no mesmo período.

Em 2003, 55,25% das 743 mil pessoas ocupadas e com rendimento médio mensal de até um salário mínimo não tinham menos de 4 anos de instrução, situação caiu para 36,46% em 2012, embora ainda esteja superior aos 26,59% de São Paulo.

Migração
Em 2012, dos 3,2 milhões de pessoas que residiam no Piauí, 602 mil (18,8%) não eram piauienses. Mais que o dobro dos 8,9% de 2003, um indicativo de que tem aumentado o número de pessoas que escolheram morar no Piauí.

Educação
A taxa de analfabetismo das pessoas com cinco anos ou mais de idade caiu de 30,08% em 2003 para 19,33% no ano passado. Entretanto, o índice ainda resiste na população acima de 40 anos, cujo percentual caiu apenas de 47,43% para 32,65%, nos últimos 10 anos. 

No mesmo período, o percentual de pessoas com 15 anos ou mais de estudo passou de 2,22% para 4,84%. Por outro lado, o total de pessoas de 10 anos ou mais de idade, sem instrução ou menos de um ano de estudo, só caiu dos 24,81% em 2003 para 17,97% em 2012.

Pedro Soares

“O grande problema no Piauí continua a ser a alfabetização das pessoas acima dos 40 anos. É muito difícil você convencer estas pessoas a voltar a estudar”, avalia Pedro Soares, Supervisor de Informações do IBGE/PI.

A rede pública de ensino continua sendo responsável pela educação básica e fundamental de 85,40% dos piauienses

Família e Domicílio
Das 338 mil famílias piauienses, 33% (o que corresponde a 911 mil pessoas) tinham uma mulher como pessoa de referência, ou seja: são formadas por mães solteiras, viúvas, separadas do marido, mulheres solteiras que moram só ou que têm como cônjuge uma outra mulher.

Dentre os serviços disponibilizados aos domicílios, a internet foi o que mais evoluiu nos últimos 10 anos, ou seja, os domicílios que tinham computador com acesso à internet passou dos 19 mil (2,63%) em 2003 para 162 mil domicílios (17,31%) em 2012.