O deputado João Rodrigues (PSD-SC), que está preso desde Fevereiro deste ano  por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), é um dos integrantes da comissão especial que analisa a proposta do novo Código de Processo Penal (CPP). O código traz regras para investigações criminais e ações penais que podem resultar em condenações na Justiça.

Questionado sobre a contradição, o líder do PSD na Câmara, deputado cearense Domingos Neto, informou que o deputado foi reconduzido às comissões que já participava antes, o que seria um procedimento comum na Casa. Ainda segundo o presidente, em nota enviada à imprensa, ainda não se esgotaram as possibilidades de recursos na Justiça para João  Rodrigues.

A indicação do deputado João Rodrigues (PSD) para a comissão especial foi feita em Abril de 2015 e cabe ao PSD decidir se irá remover o nome do político. Ele foi condenado em segunda instância em 2009 por fraude e dispensa de licitação quando era prefeito da cidade de Pinhalzinho, em Santa Catarina e depois preso em Fevereiro de 2018 por determinação do STF.

A assessoria do deputado argumentou que, mesmo preso, João Rodrigues é parlamentar e não teve o mandato cassado. E que, antes da prisão, ele atuava nos trabalhos da comissão.