Nathan Sousa, grata revelação da literatura piauiense.
Piauiense de Teresina e radicado na cidade de São Gonçalo do Piauí, o poeta Nathan Sousa, 39 anos, imortal da Academia de Letras do Médio Parnaíba, sediada na cidade de Amarante/PI, teve poema seu premiado em segundo lugar no XXXVIII Concurso Literário Edições AG, em São Paulo.
Nathan Sousa é tecnólogo em marketing, autor do livro de poemas O percurso das horas.
Abaixo transcrevemos o poema premiado em segundo lugar em São Paulo cujo título é No princípio era o som.

NO PRINCÍPIO ERA O SOM
Escrevo porque não sei pintar,
e de todas as sujeiras que fiz,
a poesia foi a única que
não largou com água e sabão.

Escrever passou a ser
o meu mais prazeroso ato fortuito,
realizado no (des)compromisso
que só a arte pode praticar.

Escrevo porque não sei cantar,
e de todas as músicas que ouvi,
a poesia foi a única
que não precisou de refrão.

Escrever passou a ser
o meu ato de liberdade e de penitência.
Só assim consigo capturar
o tempo que evapora.

Literary Contest in São Paulo awards work of the poet Nathan Sousa Piauí in 2nd place

Piauí in Teresina and settled in the city of São Gonçalo do Piauí, the poet Nathan Sousa, 39, immortal Academy of Arts Middle Parnaíba, headquartered in Amarante / IP, its award-winning poem was second in the XXXVIII Literary Competition Issues AG, in São Paulo.
Nathan Sousa is marketing technologist, author of the book of poems The route of hours.
Below we quote the poem awarded second place in São Paulo titled In the beginning was the sound.
IN THE BEGINNING WAS THE SOUND
I write because I can not paint,
and all the dirt I did,
poetry was the only one
did not start with soap and water.
Writing became
My random act more pleasurable,
performed in (dis) engagement
that only art can practice.
I write because I can not sing,
and all the music you hear,
poetry was the only
that needed no chorus.
Writing became
my act of freedom and penance.
Only thus can capture
as long as it evaporates.