Barras (PI) – A juíza Zelvânia Márcia Barbosa Alves, classificou como “calúnia” a denúncia de que estaria ocorrendo fraude no juizado especial em que coordena no município de Barras (a 119 km de Teresina). Ela esteve hoje no Tribunal de Justiça do Piauí e conversou com o corregedor geral Francisco Antônio Paes Landim.
“Todos os juízes que passam por lá (se referindo ao juizado especial de Barras) sofrem calúnia. Não sei o que dizer. Isso é de praxe lá”.

Zelvânia, que está em Teresina participando do mutirão da justiça, nega que profissionais estejam usando sua senha para ter informações privilegiadas de processos. A denúncia é de que profissionais estão tendo acesso a senha da magistrada para terem decisões em primeira mão ou fazendo alterações em sentenças. 

“Isso não existe. Não tem essa história de senha. Não tem fundamento, mas, vamos investigar pra saber o que houve”, disse a juíza que prometeu lançar nota sobre o caso.

O corregedor Francisco Antônio Paes Landim informou hoje que abriu procedimento para investigar a denúncia. Ele ressaltou ainda que está concluindo uma correição em Campo Maior em que apura a participação de grupos de advogados em roubo de senha de magistrado.

A OAB divulgou nota ontem informando que acionou o Tribunal de Ética da Ordem para acompanhar o caso. O presidente da OAB, Willian Guimarães disse que se for confirmada a participação de advogados eles vão responder pelo crime. 


(*) Yala Sena, Cidade Verde