Técnico Péricles Veloso conversando com os jogadores do Flamengo-PI no intervalo do jogo contra o River. Foto: Renan Morais/Globo Esporte

O técnico Péricles Veloso, do Esporte Clube Flamengo,  não hesitou em tornar pública toda a agonia administrativa
vivida pelo Mengão do Piauí. O treinador criticou duramente o diretor de
marketing e porta-voz da presidência Dilson Resende. De acordo com Péricles
Veloso, foi por conta de um erro do dirigente que a Raposa-rubronegra teve
apenas 8 dos 26 atletas do elenco regularizados no Boletim Informativo Diário –
BID, da CBF.
– Nos atrapalhou intencionalmente ou
por incompetência. Eu tenho um respeito pela instituição Flamengo-PI, mas tem
uma pessoa que está atrapalhando o Flamengo-PI e fazendo em função de outras
pessoas. O próprio presidente assinou os contratos. O clube não merece isso,
tem que setorizar, e eu estou aqui tentando resgatar. De 26 atletas, tive oito
regularizados. É inadmissível – declarou o técnico.
Um dia antes do
clássico com o maior rival na abertura da Copa Piauí, o Rubro-Negro regularizou
o goleiro Carlos Henrique; o lateral-direito Didi, o lateral-esquerdo Marlon;
os zagueiros Leão e Igor Julião; o volante Leonardo, os meias Lucas Chupeta e
Capinzal; além do atacante Dedé. Para não perder por WO no RIVENGO, o treinador
precisou escalar jogadores da equipe sub-19 do clube.  
– Nossa parte nós fizemos, mas tivemos problemas de
documentação. Boiadeiro fez de tudo. Um time grande como o Flamengo não pode ficar assim.
Diretores estão dentro do clube atrapalhando. Não estávamos com os
jogadores que são titulares, entramos com jogadores que não estavam nem
treinando. Eu peço ao presidente Tiago Vasconcelos que resolva. Ele é o presidente de fato.
O Esporte Clube Flamengo é maior que qualquer diretor que está com arrogância. Se não tem
competência, sai e ficam só os que têm competência – emendou o treinador rubro-negro.
Dentro de campo, o Mengão do Piauí
sofreu. O River Atlético Clube abriu o placar com Davyson e ampliou a diferença
no placar com Roberth e Gláucio. Nos acréscimos, Joselson descontou para o
Flamengo e atenuou o mau início de competição do Mais Querido.

As declarações de Péricles Veloso geraram um grande mau estar entre os dirigentes do Esporte Clube Flamengo. Na saída do time do Estádio Lindolfo Monteiro, haviam diretores pedindo a demissão do técnico, alegando “falta de decoro e respeito em virtude das declarações públicas, desrespeitando a hierarquia da diretoria rubro-negra”. No intervalo do jogo, torcedores nas arquibancadas xingaram o treinador Péricles Veloso, que foi até o encontro dos mesmos e bateu-boca com eles, dizendo que “a culpa era do diretor Dilson Resende”. O dia negro flamenguista começou antes mesmo de a bola rolar, pois fiscais do Ministério do Trabalho estiveram no Lindolfo Monteiro procurando confiscar a renda devido a dívidas trabalhistas do Flamengo, mas Robert Brown Carcará, vice-presidente da Federação de Futebol do Piauí, disse aos fiscais que o mando de campo era do River e que o ingresso para o jogo era trocado por 1 Kg de alimento. Sem centro de treinamento, pois o seu foi vendido pelos dirigentes – que não fizeram outro e nem disseram como usaram o dinheiro da venda da sede do clube -, o Esporte Clube Flamengo vive há alguns anos alimentando o descrédito dos torcedores e investidores.

Na segunda rodada, o Flamengo encara
o 4 de Julho, às 15h45 do dia 26 de agosto, no Estádio Lindolfo Monteiro. O
líder e o vice-líder da tabela após a disputa dos dois turno se classificam
para a final. O campeão confirma presença na Série D do Campeonato Brasileiro
de 2018.
(*) Com informações adicionais do Globo Esporte