De olho na cidade: “Andar de carro – quanto custa aos cofres municipais?”

 De olho na cidade: “Andar de carro – quanto custa aos cofres municipais?”
Ruas da cidade de Barras.           
Andar de carro é bom! Quem não gosta? Quem não gosta de chegar ligeiramente ao destino, sem esforços físicos exigentes, sem muitos contratempos a não ser olhar a paisagem atentamente; ainda mais hoje, com carros confortáveis?
Bem mais do que sinônimo de conforto,  os veículos automotivos são, nas pequenas cidades, ainda símbolo de status social. Se fulano comprou um carro, é porque está ganhando dinheiro e pode já valer tanto quanto o carro que possui, nem que seja à custa de 60 sacrificadas prestações. Ninguém vai ver o carnê, nem o valor da prestação, né? Quanto maior o valor do veículo, maior também o conceito de poder. Por isso, “autoridade” só anda de Hillux.
No interior, carro é mesmo tudo. Inclusive, indispensável para se deslocar até as comunidades rurais – para “carregar” médicos, enfermeiros, assistentes sociais etc. Apesar de ser indispensável ao deslocamento em cidades que apresentam território ainda considerável, como é o caso de Barras, prefeituras têm preferido alugar veículos, ao invés de arcarem com o ônus de manter frota própria. E quem não gosta de economizar. Até gestor público, né?
Até aí tudo bem, se ocorresse visível PUBLICIDADE PÚBLICA sobre quais são os carros alugados, A QUEM PERTENCE e por quanto tempo e preço se deu o aluguel. Tão importante quanto isso  é saber quais critérios foram utilizados para selecionar os beneficiados com o aluguel de veículos.
Em algumas  cidades pequenas do Brasil, tem-se visto um verdadeiro festival de maracutaias, escondidas sob o manto do aluguel de veículos. Um negócio sujo, que alimenta correligionários e outros beneficiados.
Como Barras é uma cidade de gente esclarecida, informada e interessada em zelar pela coisa pública – também os seus gestores ficha-limpa – gente preocupada inclusive com os destinos dos impostos que paga ou recebe, não seria a hora de dar visibilidade maior aos gastos com transportes? Quanto custa mesmo ao município cada veículo automotivo alugado? Você sabe, leitor?

Diego Albert

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *