Que saber, Nelson Rodrigues? Nem toda unanimidade é burra, porque é coerente ser unissonante e reconhecer méritos a nomes que se perpetuam em prestígio e seguem intactos quando o assunto é música. Aos 78 anos e seis décadas de carreira, Roberto Carlos é um bom exemplo que preserva legião de fãs, plateias lotadas e públicos ansiosos a cada disco lançado e show anunciado, fatos consumados desde da áurea Jovem Guarda até os dias atuais.

Neste sábado (7) e no domingo (8) ele se apresenta no Classic Hall, em Olinda, em mais uma edição de suas turnês que sempre aportam pelas bandas de cá. Vale ressaltar que, para o primeiro dia, os ingressos estão esgotados. Para o show de amanhã, exclusivo para mulheres – homens, só músicos e equipe técnica – pelo menos até o momento em que estas linhas eram escritas, ainda restavam alguns poucos lugares cativos para as que querem cantarolar o repertório de um ‘Rei’ que segue incólume no contraponto do mercado fonográfico tomado por ebulições e inconstâncias.

Dos poucos mais de uma centena de discos gravados, entre nacionais e internacionais, os mais “antigos” continuam sendo os mais cortejados, embora os hits mais recentes, a exemplo dos novelescos, se transformem em sucesso tão somente por ter versos entoados por ele. Unanimidade em qualquer formato, e para todos os gostos e possibilidades, Roberto também está nos cinemas 3D, em show gravado em Jerusalém (2011), com direito a making off de seus momentos de fé. Na televisão, o tradicional Especial de Natal já está pronto e quem quiser curtí-lo a bordo de um navio, o projeto ‘Emoções Em Alto Mar’ continuará a todo vapor em 2020.

E por mais que não seja novidade o abrir dos shows com “Emoções” e o término com a religiosidade que lhe é peculiar, uma coisa é certa: aplausos efusivos ecoarão nas duas noites de apresentação em terras pernambucanas. “O Calhambeque“, “Splish Splash“, “Além do Horizonte“, “Detalhes” e “Esse Cara Sou Eu“, também não devem faltar no set list, assim como “A Deusa da Minha Rua“, canção de Newton Teixeira e Jorge Faraj, interpretada por Roberto para a global “Éramos Seis”. O ‘viva’ ao ‘Rei’ está marcado para as 20h de hoje e às 18h para o show de amanhã.

Serviço
Roberto Carlos – Turnê 60 Anos de Carreira

Sábado (7), com ingressos esgotados, às 20h e domingo (8), exclusivo para mulheres, 18h, no Classic Hall
R$ 450 (cadeira vip), à venda na bilheteria da casa e no site Eventim

(*) Germana Macambira, Folha de Pernambuco