O Ceará Sporting Club chega aos 104 anos neste Sábado, 2 de Junho de 2018. Para comemorar, uma programação já tradicional no clube: alvorada de fogos, missa e bolo comemorativo. Mas, para além disso, não muito o que festejar em 2018. Vice-lanterna da Série A, há 10 jogos sem vencer e com pouco apoio da torcida, o time precisa se reencontrar em campo, e fora dele, urgentemente.

E neste Domingo (3), o Vovô tem mais um desafio complicado pela frente. Aliás, diferente de outras competições, a Série A só tem partidas de maior dificuldade, mesmo quando o adversário é considerado “pequeno”. Afinal de contas, o campeonato representa a elite brasileira no futebol. Então, qualquer vacilo pode representar uma queda vertiginosa.

E o Ceará está apresentando esse perfil agora. Sem ganhar há 10 jogos, o Alvinegro de Porangabuçu vê parte dos adversários diretos abrir vantagem na luta contra o rebaixamento, enquanto finca pé nos três pontos após oito rodadas.

Por isso, mesmo contra um Cruzeiro que promete vir forte e que está em crescimento na Série A, o objetivo do Ceará precisa ser vencer a todo custo. Para fazer, inclusive, com que os jogadores tenham mais confiança em si. E para evitar situações como a deata sexta-feira (1°), quando torcedores foram ao campo de treinamento, emtraram e foram cobrar o elenco – uma situação que jamais deveria permitida pelo caráter intimidador que tem para atletas e comissão técnica.

Até a parada para a Copa do Mundo, serão mais quatro jogos disputados, todos decisivos na briga particular do Vovô para escapar do Z-4. Depois, durante o Mundial, serão mais dois compromissos pelas semifinais da Copa do Nordeste. Seis jogos que podem representar uma sobrevida para a equipe, se todos tomarem consciência dos papéis que precisam ter nesta história.

A diretoria, que precisa contratar reforços para tornar o time mais competitivo na Série A. E contratar com o mínimo de erro possível, sem testes a essa altura. O técnico Jorginho, que acabou de chegar, mas deve ter consciência que tem, no máximo, esses próximos seis compromissos para acertar o elenco com o que tem e encontrar um padrão tático que funcione minimamente. E os jogadores, que devem estar cientes de seus limites e entenderem melhor o poder do jogo coletivo e de certa raça. Principalmente, pelo fato de boa parte deles estar junta há mais de uma temporada.

Só assim, pelo menos, o resquício daquela equipe promissora do início da temporada, ainda de Marcelo Chamusca, que vencia e jogava com dois times, pode dar as caras de novo. Uma equipe, que et certo, venceu um Campeonato Cearense de nível a anos-luz do Brasileirão, mas que teve foi muito bem na primeira fase da Copa do Nordeste e até fez boa campanha na Copa do Brasil.

Ceará, treino (Foto: Juscelino Filho)

(*) Com informações e fotos do Globoesporte/CE