O estudante Abimael Ammon Nascimento Costa, 21 anos, que é torcedor do Vitória-BA e natural de São Sebastião do Passé-BA, nunca usava a camisa do time rubro-negro na capital baiana temendo ser agredido. Na noite de quarta-feira, 6 de Fevereiro de 2019, contudo, Abimael foi espancado por cinco torcedores da organizada tricolor Bamor quando praticava exercícios físicos na praça da cidade onde mora. 

“Todos os dias ele corre na avenida principal de São Sebastião. Ele estava com a camisa da torcida Imbatíveis, do Vitória, quando esses caras jogaram o carro em cima dele. Ele conseguiu atravessar a rua e correr para dentro dos matos, mas eles entraram nos matos e começara a agredir ele. Ele caiu, chutaram a cabeça, foi bastante espancado. Ele chegou a levar pontos até nas nádegas”, conta o parente da vítima. 

O presidente da torcida organizada Bamor, do Esporte Clube Bahia, Luciano da Silva Venâncio, 34 anos, acabou preso no mesmo dia, após a série de agressões contra Abimael. Além dele, a Polícia Militar prendeu também outros quatro integrantes da organizada: Sérgio Soares Brandão, 37, Tiago Tiburcio dos Santos, 33, Matheus Pires Castro, 28,  e George da Silva Mata 35, que também participaram do ataque.


Presidente da Bamor (centro), segundo a vítima, era o agressor mais violento

“Na cabeça de Abimael criou um hematoma gigante. Ele relata que o presidente da Bamor era o mais agressivo. Foi ele que bateu mais, que chutou a cabeça dele. O presidente foi o mais agressivo no ataque. Não sei se intenção inicial deles era matar, mas quem lança um carro em um pessoa, desce e depois começa a agredir, chutar o rosto e todo o corpo, tinham sim a intenção de matar. Ele até me falou ‘queriam ceifar minha vida’”, relata o parente do estudante que também trabalha como autônomo. 

O parente da vítima relata que Abimael só estava usando a camisa da Imbatíveis, mas que não é integrante da torcida organizada. “Ele vive no interior, não é da Imbatíveis, mas como torcedor do Vitória ele comprou a camisa para poder usar. Ele não usava a camisa em Salvador. Quando ele vinha para Salvador ver algum jogo, não usava nenhuma camisa do Vitória justamente com medo das agressões. Ele é cristão, pratica esportes e não gosta de briga”, destaca o parente da vítima que depois de prestar depoimento foi atendido no Hospital Municipal de São Sebastião do Passé com escoriações nas pernas, braços, nádegas e cabeça. “Ele está sentindo muita dor”, destaca o parente. 
 
A agressão aconteceu em São Sebastião do Passé, mas os presos foram transferidos para Lauro de Freitas, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), onde estão custodiados à disposição da Justiça. 

Segundo a SSP-BA, a ocorrência do espancamento foi registrada no Centro Integrado de Comunicações (Cicom), que acionou uma equipe da PM com a informação de que o ataque era praticado por cinco torcedores vestidos com camisas da torcida organizada do Bahia, à bordo de um veículo Hyundai IX 35, prata, placa policial NYH 7040. Com os torcedores, foram encontradas duas facas tipo peixeira, informou a SSP-BA.

“Abimael contou na delegacia, após identificar os autores, que eles tentaram o atropelar e, em seguida, passaram a agredi-lo exigindo que entregasse a camisa do Vitória, também de torcida organizada (Os Imbatíveis), que ele vestia no momento da ação”, explicou o tenente Hélio Nery da 95ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM/Catu).

Os cinco integrantes passavam por São Sebastião do Passé em direção a Alagoinhas, onde ocorreu o jogo entre Bahia x Atlético de Alagoinhas. Na Delegacia de São Sebastião do Passé, o grupo foi autuado por lesão corporal, formação de quadrilha. Eles seguem à disposição da Justiça na delegacia de Lauro de Freitas – unidade que tinha delegado ontem à noite e funcionou como plantão metropolitano para receber presos da região nesta quarta-feira (6).Mais Lidas

  • Homem invade imóvel, faz reforma completa e pede reembolso para sair
  • Ilhas de Paz: conheça as cidades baianas sem homicídios há mais de um ano
  • ‘As duas filhas estavam com ela’, desabafa irmão de professora morta na Vila Canária
  • Graça é França, Brotas é Brasil: ‘E se os bairros de Salvador fossem países?’

(*) Correio 24 horas