Eles estão nos hospitais, clínicas, em atendimentos de urgência e emergência em postos e centros de saúde. Presenças fundamentais na atenção domiciliar, no tratamento de feridas e até mesmo nos serviços de especialidades médicas. O mercado de trabalho para o técnico de enfermagem está em expansão no Brasil e na Bahia, especialmente porque além da assistência direta ao paciente, eles também trabalham com gestão, pesquisa e empreendedorismo.

Membro do Conselho Regional de Enfermagem (Coren-Ba), Cláudia Magalhães, 48 anos, por exemplo, começou a formação técnica há 28  e atuou em instituições como os hospitais  de Irmã Dulce, Sagrada Família e Cárdio Pulmonar. Há dez anos ela concluiu a formação superior na área, mas reconhece não poder esquecer o quanto a base técnica foi fundamental para o seu crescimento pessoal e profissional.

“O curso técnico foi fundamental para que eu conseguisse vislumbrar o exercício e o mercado com um olhar muito mais crítico e assertivo”, diz a profissional, que agora caminha para a segunda especialização, dessa vez em enfermagem forense (ela é especializada em enfermagem do trabalho). 

Formações
A gestora do Senac Aquidabã, Farani Gama, local que oferece curso de técnico de enfermagem, ressalta que a formação técnica habilita profissionais a promoverem o bem-estar dos pacientes, atuando com ações de prevenção, recuperação e reabilitação da saúde. 

“O objetivo é formar um profissional com conhecimentos técnicos e atuação humanística”, afirma, reforçando que, no Senac, a grade curricular, por exemplo, é multidisciplinar, com o intuito de preparar o aluno para atender às exigências do mercado de trabalho.

Na verdade, o Senac iniciou a oferta com o Curso Auxiliar de Enfermagem em 1989. A partir de 1997, passou a oferecer o curso Técnico em Enfermagem. Até então, são 24 turmas ofertadas, com cerca de 700 profissionais formados nesta ocupação, com 75% destes absorvidos pelos maiores hospitais do Estado, a exemplo do  São Rafael, com o qual o Senac mantém convênio há mais de  20 anos.“Atualmente estamos  com matrículas abertas para a turma que inicia em 07 de outubro e vai até 25 de março/2022”, diz Farani.

Atuações
Atualmente, o mercado que mais absorve profissionais recém-formados está justamente na assistência direta, especialmente na rede de serviços assistenciais, como os diversos programas de Saúde da Família. 

Vale salientar que os profissionais que escolhem atuar com a assistência direta ao paciente, geralmente, atuam em redes hospitalares, nas unidades básicas de saúde, nos serviços de pré-atendimento hospitalar, nos home cares, nos centros de transplantes de órgãos, nos serviços especializados em estomatologia (feridas), oncologia, obstetrícia, neonatologia, pediatria, geriatria, entre tantos outros.

Já para aqueles que também têm habilidade para gestão, há a possibilidade de desenvolver funções nas coordenações de hospitais, postos de saúde, secretarias e universidades.  

Farani Gama ressalta que, no caso do Senac, há um serviço gratuito de encaminhamento ao mercado de trabalho, o Banco de Oportunidades, onde diversas empresas do segmento cadastram suas ofertas de vagas.

O ensino e a pesquisa são outras áreas de atuação que absorvem os profissionais de enfermagem, especialmente aqueles que investem na área acadêmica. Dentro da formação técnica, há a possibilidade do egresso da formação também realizar cursos de aperfeiçoamento como Assistência de Enfermagem em nefrologia; oncologia; em Terapia Intensiva; em Emergência, Urgência e Traumas; em Home Care; Cálculos e Farmacologia, entre outros.

Empreendedorismo
Quando o assunto é empreender, é importante salientar que esse profissional pode explorar diversas possibilidades, que vão desde a implantação de clínicas, consultórios, home cares, cooperativas, serviço de atenção especializada especialmente para pacientes idosos, atendimento em eventos (diary care); transporte de pacientes; aluguel de equipamento especializado na área de saúde, esterilização, vacinação, amamentação. 

“A atitude empreendedora, sustentável e colaborativa, com foco em resultados, aliada às marcas formativas, desenvolvidas no decorrer do curso: domínio técnico-científico e visão crítica marcam a qualidade desse profissional que vai enfrentar o mercado”, destaca a representante do Senac, reforçando a importância desse perfil para a atuação em geral. 

É importante ressaltar que algumas ações de empreendedorismo na área de enfermagem, como atuação em  centros de conveniência, integram um grupo de negócios conhecido como empreendedorismo social e, para manterem o equilíbrio financeiro de suas operações, em muitos casos, funcionam sob a forma de Organização Não Governamental (ONG), realizando convênios com a administração pública. 

  • Leiliane Muniz – RELATO

Empatia e profissionalismo  Minha decisão de encarar um curso de técnico em ensino médio ocorreu logo depois que terminei o ensino médio. Nessa época, tinha 17 anos e estávamos vivendo com o adoecimento do meu pai  e percebi que poderia me encontrar dentro da área, poderia ajudar outras pessoas. É impressionante como a dor nos sensibiliza a cuidar dos outros. Um primo meu já havia feito o curso no Senac e me indicou. Fui conhecer e me identifiquei com a proposta da formação. Então fui fazer o processo seletivo e fui aprovada. Três meses depois que me formei fui indicada para trabalhar em clínicas e estou até hoje. A área me encantou tanto que meu  
próximo objetivo é fazer a formação superior em enfermagem. Minha meta é me especializar em atendimento em UTI e emergências. Se pudesse deixar um recado para quem pretende fazer o curso, diria: esqueça remuneração, mais do que querer, para fazer  enfermagem, é preciso gostar e ter empatia com outros seres humanos, porque se lida com vidas humanas.

(*) Correio da Bahia