m gol cedo, uma goleada sofrida ainda no primeiro tempo e, em poucos minutos, praticamente se foi a chance do Bahia pontuar pela primeira vez jogando fora de casa no Campeonato Brasileiro. Diante do Palmeiras, em São Paulo, na noite deste sábado, o Tricolor teve um desempenho defensivo desastroso e foi presa fácil para a equipe mandante. Na frente, o time até conseguiu criar oportunidades, mas mostrou a velha ineficiência nas conclusões a gols. Resultado? Derrota por 3 a 0 e mantida a posição na zona de rebaixamento do Brasileirão.

Durante a semana, a pergunta “o que fazer para jogar melhor fora de casa?”, com certeza, foi a mais abordada nas entrevistas coletivas no Fazendão. E a “mudança de mentalidade” chegou a ser destacada pelos jogadores. Só que é difícil observar na partida deste sábado qualquer mudança de postura com um gol sofrido pelo Bahia logo aos dois minutos de jogo. Vazado tão cedo, o Tricolor precisou alterar a estratégia, seja ela qual fosse. Guto disse após o jogo que time não conseguiu aproveitar uma possível pressão que a torcida do Palmeiras faria caso o resultado igual fosse mantido por muito tempo.

– Na realidade, o gol tirou a situação mental de você poder buscar gol que poderia desequilibrar o Palmeiras mentalmente. O Palmeiras foi competente e nós, infelizmente, não fomos – avaliou o treinador.

Por outro lado, o primeiro gol do Palmeiras mostrou, de cara, o que seria a partida. Os mandantes exploraram a velocidade, principalmente com Keno no lado direito do Bahia. E Élber, Nino Paraíba e Everson tiveram muita dificuldade. Com velocidade e trocas rápidas de passe, a equipe paulista chegou com facilidade na área tricolor, que até tinha uma defesa mais rápida, com Everson, já que Tiago não estava no mesmo ritmo de jogo, mas pouco conseguiu fazer para impedir os paulistas.

No primeiro gol do Palmeiras, os mandantes tabelam, Keno recebe com liberdade e desmarcado e toca no ponto futuro para Borja explorar a velocidade e ganhar de Everson. Depois, o colombiano só cruzou para Willian marcar. Atrás no placar, o Bahia seguiu dando espaços, mostrou falhas de posicionamento e sofreu mais dois gols. Na imagem abaixo, terceiro gol do Palmeiras, Lucas Lima recebeu com extrema liberdade entre as linhas do Bahia e fez a enfiada de bola. O passe foi para Borja, mas também poderia ter sido para Keno, acompanhando de longe e que até gesticulou pedindo a bola.

Na frente, o Bahia teve o seu melhor momento na partida logo após o primeiro gol do Palmeiras. Quando tinha espaços para acelerar o jogo, conseguiu incomodar e criar chances claras de gols. Mas em uma partida diante de uma equipe qualificada como o Palmeiras, desperdiçar essas oportunidades quase nunca termina bem. Lucas Fonseca acertou a trave e Zé Rafael chutou fraquinho frente a frente com Jailson. Na saída para o intervalo, Lucas Fonseca afirmou que as falhas individuais foram o principal problema do Bahia.

– A dificuldade de jogar fora de casa para chegar no jogo e acertar. A gente está tendo vacilo individual e está dando chance para a outra equipe – disse Lucas.

O 3 a 0 no primeiro tempo afetou diretamente o ritmo da etapa final. Com a vitória praticamente garantida, o Palmeiras preferiu se fechar, esperar o Bahia e explorar o contra-ataque. E com uma desvantagem tão grande, o Tricolor se lançou à frente e até teve mais domínio da posse de bola em boa parte da etapa final, mas ela foi pouco efetiva. O time passou a maior parte do tempo sem conseguir criar e chegou perto do gol, de fato, na segunda metade da etapa final do jogo, com Élber, Zé Rafael e Everson, mas aí voltou a esbarrar na falta de pontaria. Do outro lado, os mandantes também quase marcaram, e Willian chegou a acertar a trave com o gol livre.

Em uma semana em que tanto se falou sobre rendimento fora de casa, o Bahia voltou a decepcionar e preocupar o seu torcedor. Se serve de consolo, a próxima partida no Brasileirão vai ser na Fonte Nova, contra o Vasco. Local que o time tem não somente ritmo, como resultados completamente diferentes.

(*) Com informações do Globoesporte/BA